}); PORTAL ORÓS: Maio 2018

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Após greve de caminhoneiros, Ceasa de Maracanaú registra bom movimento e preços menores



Comerciantes da Central de Abastecimento (Ceasa) de Maracanaú, na Grande Fortaleza, nesta quinta-feira (31), já tiveram um aumento nas vendas após dez dias de paralisação dos caminhoneiros iniciada na segunda-feira (21). Os preços também apresentam queda.

De acordo com a administração da Ceasa, desde a manhã desta quarta-feira (30), o local recebe caminhões de vários pontos do país. Com a entrada de caminhões, produtos que estavam em falta desde sábado (26), como a batata-inglesa, o pimentão e a cebola já são encontrados na feira.

Ainda com preços acima do normal, mas a expectativa de retornarem ao normal entre seis e dez dias. Preço da batata-inglesa que chegou a custar R$ 10,00 na sexta-feira, hoje está R$ 6,50. Pimentão e a cebola também tiveram seus preços reduzidos.

Segundo a administração da Ceasa, com a paralisação, o local teve uma queda nas vendas de 40%. “Tivemos um prejuízo considerável. Os preços subiram devido à falta dos produtos. Acredito que daqui uns dez dias os preços e os produtos voltem ao normal como era antes”, afirmou um feirante.

Polícia ainda registra um bloqueio
Após 10 dias, caminhoneiros deixaram pontos de protestos e liberaram os trechos de rodovias bloqueados no Ceará. Porém, conforme a Polícia Rodoviária Federal (PRF), os motoristas mantêm um ponto com manifestação no quilômetro 215 da BR-116, em Tabuleiro do Norte.

Os caminhoneiros mantinham rodovias bloqueadas no Ceará desde o dia 21 de maio. O protesto ocorre simultaneamente em diversos estados do país contra a alta do diesel.

Na tarde desta quarta-feira (30), caminhoneiros que estavam concentrados em dois pontos da BR-222 no Ceará deixaram as paralisações. No quilômetro 334 da rodovia, na cidade de Tianguá, onde estavam cerca de 400 profissionais, os veículos foram retirados do local.


Por G1 CE

Polícia acha ossada de mais duas pessoas em sítio de líder religioso no Ceará



Polícia Civil achou nesta quarta-feira (30) ossadas de mais duas pessoas no distrito de Suassurana, em Iguatu, no sítio onde um líder religioso realizava cerimônias religiosas. Gleudson Dantas Barros, preso em 18 de maio, é suspeito de matar quatro "desafetos" que confrontavam as ideias do culto que ele praticava, conforme o delegado Jerffison Pereira.

As vítimas foram enterradas em um sítio na zona rural do município, onde o líder atuava. Segundo a polícia do município, Gleudson assumiu participação nos crimes.

A polícia ainda não tem a identificação de três vítimas, mas suspeita de que são pessoas que estão desaparecidas desde o ano passado.

Nesta terça-feira (29, uma ossada havia sido encontrada no mesmo local, no Sítio Canto, distrito de Suassurana, zona rural de Iguatu. A polícia já suspeitava de mais corpos enterrados.

Gleudson Dantas Barros e Roberto Alves da Silva, que também está preso por suspeita de participação nos crimes, matavam pessoas que de alguma forma "desagradavam" o líder, que pratica uma seita religiosa, segundo o delegado titular de Iguatu, Jeffirson Pereira. A polícia não soube dar mais detalhes sobre a seita, mas descarta que os crimes tenham sido praticados em rituais de magia.

"Esses caras eram maníacos que saíam matando as pessoas e enterrando por aí à fora, não tem nada a ver com magia", afirma.

Discussão
Até esta quarta, a única vítima identificada é Jheyderson de Oliveira Chavier, cujo corpo foi encontrado enterrado em 23 de maio.

Jhey de Oliveira, como era conhecido, tinha 24 anos e era estudante do curso de serviço social no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). A vítima também era ativista em defesa de direitos de gays, travestis e transexuais no interior do Ceará e realizava serviços sociais em Iguatu.

"No caso de Jhey, ele havia tido uma discussão com o Gleudson, e depois de ir muito de encontro com as ideias de Gleudson, ele (o líder) teve o prestígio atingido e estava perdendo seguidores", afirmou o delegado Pereira.


O corpo de Jhey apresentava sinais de tortura e marcas de tiros.

Por G1 CE


Criança de 4 anos é morta por bala perdida em Sobral, no Ceará



Uma criança de quatro anos foi morta vítima de uma bala perdida na noite desta quarta-feira (30) em Sobral, no Ceará, conforme o Núcleo de Investigação de Homicídios de Sobral. O crime ocorreu no Parque Santo Antônio, por volta das 20h30.

A a criança estava com o irmão na calçada de casa quando dois homens em uma motocicleta passaram atirando na direção de um homem. Os tiros atingiram a menina, que foi socorrida na Santa Casa de Sobral, mas morreu durante o atendimento.

A mãe da criança afirmou que estava dentro de casa quando escutou o tiro que vitimou a criança, que brincava na calçada. "Eu me agarrei com meu filho, eu perguntei, 'Ígor, foi você que levou um tiro?' Ele disse 'não, mamãe'. Quando eu peguei a minha filha, ela estava com a língua pra fora, disse 'mamãe, mamãe'. Ela morreu nos meus braços", afirmou a mãe da criança.

A polícia ainda procura pelos suspeitos dos disparos. Até a madrugada desta quinta, ninguém havia sido preso.


Por G1 CE

Litro do diesel deverá estar R$ 0,46 mais barato nos postos a partir de 1º de junho, diz ministro



O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou nesta quarta-feira (30) que o "Diário Oficial" deverá publicar, nesta quinta (31), as regras que o governo adotará para assegurar que o preço do litro do diesel nos postos, a partir de sexta (1º), seja R$ 0,46 menor que o praticado em 21 de maio, quando começou a greve dos caminhoneiros.

Marun deu a informação após uma reunião do grupo de ministros que monitora a greve da categoria e o reabastecimento de produtos pelo país.

Segundo o ministro, o desconto valerá a partir do momento em que o posto for abastecido.

"O desconto será obrigatoriamente repassado. Se no dia 21 de maio, no posto de combustíveis, o caminhoneiro abasteceu um litro de diesel por R$ 3,46, por exemplo, obrigatoriamente, a partir do momento que o posto for abastecido, [o litro] terá de ser R$ 3,00. Terá que haver o desconto", disse Marun.

"Os postos de abastecimento de combustíveis terão que aficcionar uma placa onde constará o valor praticado em 21 de maio, o desconto e o preço atual. O desconto pode até ser maior que R$ 0,46, mas, no mínimo, terá que ser de R$ 0,46", acrescentou.

De acordo com Carlos Marun, a redução de R$ 0,46 no preço do litro do diesel corresponde ao percentual incidente de PIS-Cofins e Cide sobre o combustível.

A redução no preço do diesel faz parte da proposta de acordo apresentada no último fim de semana pelo governo aos caminhoneiros.

A categoria está parada há dez dias e protesta contra o aumento no preço do diesel.

Tabela de frete
Além da redução no preço do diesel, outro ponto acordado pelo governo com os caminhoneiros foi a formulação de uma tabela com os preços mínimos dos fretes por tipo de carga.

Os valores foram definidos nesta quarta pela Agência Nacional de Transportes Terrestres e deverão ser publicados no "Diário Oficial da União" desta quinta.

De acordo com o governo federal, a tabela tem "caráter obrigatório para o mercado de fretes do país".

Ainda de acordo com o Palácio do Planalto, os valores dos fretes estabelecidos pela ANTT são válidos até 20 de janeiro de 2019. Os valores serão atualizados no ano que vem.

"Novas tabelas deverão ser publicadas até os dias 20 de janeiro e 20 de julho de cada ano e serão válidas para o semestre em que forem editadas", acrescentou a Presidência.

'Reforma' do sistema de distribuição
Na mesma entrevista de Carlos Marun, o ministro Raul Jungmann (Segurança Pública) foi indagado sobre uma declaração do presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira (MDB-CE), na qual o parlamentar afirmou ser preciso debater a atual política de preços da Petrobras.

Para Jungmann, o mercado de distribuição de combustíveis "precisa ser regulado de forma diferente, precisa passar por uma reforma".

"Isso que aconteceu [greve dos caminhoneiros] pode voltar a acontecer de novo. Uma das lições que temos de ter é rever o mercado e sua regulação", afirmou.


Por Roniara Castilhos e Filipe Matoso, TV Globo e G1, Brasília

quarta-feira, 30 de maio de 2018

PROGRAMA HORA DA NOTÍCIA QUARTA 30/5


DESTAQUES DE HOJE:

Orós continua sem combustíveis e começa a sofrer com desabastecimentos; Clínica Multifio estará de portas abertas a partir do dia 04/06; Motoristas levam horas em fila para abastecer no Centro-Sul do Ceará; É mentira que caminhoneiros atearam fogo em posto de combustíveis em Jaguaribara.

Seja o nosso repórter envie sua matéria (88) 9.9422.0106
SIGA, CURTA, COMPARTILHA! OBRIGADO


87% dos brasileiros apoiam greve dos caminhoneiros, diz Datafolha


Uma pesquisa do Datafolha divulgada nesta quarta-feira (30) mostra que 87% dos brasileiros apoiam a paralisação dos caminhoneiros, mas o mesmo percentual rejeita cortes no orçamento e aumento de imposto para atender às reivindicações da categoria.

O levantamento com 1,5 mil pessoas aponta que apenas 10% são contra a paralisação dos caminhoneiros, 2% são indiferentes e 1% não soube opinar.

Sobre a continuidade da paralisação, porém, o apoio diminui: 56% acham que ela deve continuar enquanto 42% defendem o seu fim.

A pesquisa telefônica foi feita na terça-feira (29), dia em que os bloqueios diminuíram e os caminhões começaram a circular com mais frequência nas estradas do país. A margem de erro do levantamento é de três pontos para mais ou para menos.

Contra aumento de impostos

Embora seja solidário às reivindicações dos caminhoneiros, 87% dos entrevistados não concorda com as medidas encontradas pelo governo para atender os caminhoneiros. Apenas 10% aprovaram o aumento de impostos e o corte dos gastos federais, dentro de uma paleta bastante variada de opões.

As medidas anunciadas pelo governo para acabar com a greve são: desconto de R$ 0,46 no litro do diesel por 2 meses; estabelecimento de uma tabela de preços mínimos por km rodado no transporte rodoviário de cargas; isenção de pedágio para eixos suspensos e reserva de 30% dos fretes da Conab destinado a caminhoneiros autônomos.

O desconto no diesel vai custar R$ 9,5 bilhões até o fim do ano. Uma parte desse valor vai ser compensada por corte de despesas e por uma reserva do orçamento. O governo também cogitou aumentar tributos, mas um dia depois voltou atrás.

Negociação

A avaliação sobre a condução da negociação entre o governo Michel Temer e os caminhoneiros também foi alvo da sondagem: 77% desaprovaram, 16% acham que foi regular, 6% aprovaram e 1% não souberam avaliar.

Para 96%, Temer demorou para negociar, contra 3% que consideram que o presidente o fez no momento correto.

Fonte: G1

Temer diz que não tem mais como negociar; protestos seguem


O presidente Michel Temer disse nesta terça-feira (29), que a União "espremeu" todos os recursos para atender às demandas dos caminhoneiros que ocupam as rodovias do país. Desta forma, não há mais como negociar com os manifestantes. Enquanto isto, os protestos continuam a acontecer no Ceará. Mais cedo, o governador Camilo Santana afirmou que acompanha a movimentação. 

"Fizemos o que foi possível. Esprememos todos os recursos governamentais para atender os caminhoneiros e para não prejudicar a Petrobras. A essa altura não temos mais como negociar, o que fornecer. Tenho a impressão que entre hoje e amanhã isso estará normalizado”, disse Temer, em entrevista à TV Brasil. 

A reportagem da TV Cidade esteve na avenida Osório de Paiva, no Siqueira, durante a tarde. No período, manifestantes fecharam a via, colocaram pneus e atearam fogo. De acordo com a Polícia Militar, vândalos se infiltraram no movimento e colocaram bombas caseiras, o que provocou algumas pequenas explosões. O fogo foi apagado pelo Corpo de Bombeiros. Na BR-222, em Caucaia, vários caminhões permanecem parados. Além dos caminhoneiros, moradores ocuparam a via e pediram melhorias no preço dos combustíveis. 

CNEWS

Governadores e prefeitos não aceitam abrir mão de recursos


Os Estados e municípios se recusam a pagar a conta gerada após o Governo Federal oferecer concessões para entrar em acordo com os caminhoneiros em greve há mais de uma semana. Na ponta do lápis, o rombo inicial deverá girar em torno de R$ 9,5 bilhões.

As Prefeituras não querem abrir mão da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) e os governos estaduais descartam reduções no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). A equipe econômica do presidente Michel Temer (MDB) tem considerado a possibilidade de reduzir a contribuição dos Estados para aliviar os cofres federais.

Na semana passada, os governadores do Nordeste e de Minas Gerais já haviam assinado uma carta repudiando a possibilidade de redução da alíquota do ICMS nos combustíveis. No texto, os gestores disseram que “o Governo Federal tenta fugir às suas responsabilidades convocando os governos estaduais – já tão sacrificados pela injusta concentração de recursos na União – a renunciar às suas receitas do ICMS, supostamente para atender demandas dos representantes dos transportadores participantes da paralisação”.

Ontem, o governador Camilo Santana (PT) declarou que “o presidente da República, de forma irresponsável, aumenta o preço dos combustíveis abusivamente e joga a responsabilidade para os estados”. “Diminuíram os recursos da saúde para o Ceará, não recebo um centavo para a segurança e agora querem jogar culpa para que os estados comecem a desonerar mais ainda o ICMS”, desabafou.

Ao O POVO, o secretário da Fazenda, João Marcos Maia, disse que “o Ceará não vai abrir mão de receita comprometendo a sua saúde fiscal e financeira para corrigir um problema criado pela política de preço do Governo Federal”.

No âmbito municipal, o movimento é semelhante. Em audiência pública realizada ontem na Câmara dos Deputados, o presidente da Associação Brasileira dos Municípios (ABM), Ary Vanazzi, apontou a responsabilidade do problema econômico para o Governo Federal e disse que “zerar a Cide sobre óleo diesel significa hoje uma redução de 30% dos valores que nós (prefeitos) recebemos do imposto. A grande maioria das cidades só tem a Cide para fazer tapa-buraco e para fazer manutenção das vias”.

Em nota à imprensa, a entidade, que representa as mais de cinco mil administrações municipais afirmou que “mais uma vez o Governo Federal tenta empurrar a conta para os demais entes da federação, retirando dos municípios mais esse recurso. A maioria dos municípios brasileiros está lutando para fechar as contas, mantendo em dia o pagamento do funcionalismo e dos fornecedores”.

No Ceará, de acordo com o consultor econômico da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), André Carvalho, o impacto nas contas, porém, é mais “simbólico” do que prático. 

A receita das Prefeituras, segundo ele, tem os pilares baseados no Fundo de Participação dos Municípios (FPM), Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), ICMS e repasses para a saúde, oriundos do Sistema Único de Saúde (SUS). A questão, lembra o consultor, é a decisão de retirar mais uma fonte de renda das prefeituras após as últimas quedas de repasses.
PEC

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, mandou instalar uma comissão especial sobre a reforma tributária. A proposta veio após o caos pelo preço dos combustíveis. 



COMBUSTÍVEIS

PROPOSTAS DA CADE ESTUDO Em meio à crise de abastecimento gerada pela greve dos caminhoneiros, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) divulgou ontem um estudo com sugestões de medidas para aumentar a concorrência no setor de combustíveis e reduzir os preços ao consumidor final. 1 - Permitir que os produtores de álcool vendam diretamente aos postos. 2 - Permitir a verticalização no comércio de combustíveis, ou seja, que refinaria ou uma distribuidora tenha seus próprios postos. 3 - Permitir a importação de combustíveis pelas distribuidoras. 4 - Informar aos consumidores o nome dos donos de postos, para que fique claro quem concorre com quem. 5 - Melhorar a informação de órgãos de governo sobre o comércio do combustível, para detectar mais facilmente condutas anticompetitivas. 6 - Modificar o sistema de cobrança do ICMS, que é por substituição tributária. A avaliação é que essa prática facilita uniformização de preços. 7 - Repensar a tributação do combustível, que é ad rem (valor fixo por litro) e por isso pesa proporcionalmente mais sobre o litro mais barato. 8 - Permitir postos autosserviços. 9 - Repensar as normas sobre o uso concorrencial do espaço urbano. Por exemplo, autorizar a instalação de postos em hipermercados.

O POVO

Camilo e mais 12 governadores não dispensam nenhum centavo do ICMS sobre combustível


O petista cearense Camilo Santana e mais 12 governadores (Minas, Bahia, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Sergipe, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Maranhão Rondônia e Distrito Federal) decidiram não vão abrir mão de um real sequer da arrecadação de ICMS sobre os combustíveis.

A informação é do jornal O Globo desta terça-feira (29).

Como bem lembrou O Antagonista, em busca da reeleição, a turma quer empurrar o problema para o governo federal — ou seja, para nós, os contribuintes.


CEARÁ NEWS 7

Líder religioso é suspeito de matar quatro 'desafetos' e sepultar corpos em Iguatu, no Ceará


O homem preso apontado como assassino do estudante Jheyderson de Oliveira Chavier, em Iguatu, é suspeito de matar outras três pessoas que ele considerava "desafetos". O líder religioso Gleudson Dantas Barros, preso em 18 de maio, assumiu participação nos crimes que vitimaram quatro pessoas, de acordo com o delegado responsável pelo caso, Jerffison Pereira.

Policiais localizaram nesta terça-feira (28) uma ossada no mesmo sítio onde Jheyderson de Oliveira havia sido encontrado morto, com dois tiros. Os policiais investigam se são restos mortais de um garoto desaparecido em 2017.

A suspeita é de que Gleudson Dantas Barros e Roberto Alves da Silva, que também está preso por suspeita de participação nos crimes, matavam pessoas que de alguma forma "desagradavam" o líder de uma seita religiosa. "No caso de Jhey [como era conhecido Jheyderson de Oliveira], ele havia tido uma discussão com o Gleudson, e depois de ir muito de encontro com as ideias de Gleudson, ele teve o prestígio atingido e estava perdendo seguidores", afirmou Pereira.

Um adolescente que também era suspeito de participação nos homicídios foi achado morto nesta terça. Segundo a Polícia Civil, o garoto cometeu suicídio.

"Nos depoimentos, eles [Roberto Alves da Silva e Gleudson Dantas Barros] confessaram ter matado quatro pessoas, mas a verdade é que pode ter sido bem mais", afirmou o delegado ao G1.

Nesta quarta-feira (30), os policiais vão retornar ao Sítio Canto, local onde eram praticados rituais religiosos, na zona rural de Iguatu, para procurar restos mortais de outras duas pessoas que estão desaparecidas. As duas eram consideradas "desafetos" do religioso.

Os presos foram indiciados por homicídio qualificado, ocultação de cadáver e posse ilegal de arma de fogo; um revólver e munição foram achados no sítio onde os corpos foram encontrados.

Conforme o delegado Jerffison Pereira, nos restos mortais localizado nesta terça foi possível constatar que a vítima sofreu um tiro na nuca, assim como ocorreu com Jhey, informou o delegado Pereira. Também há sinais de que ele foi torturado antes de ser assassinado.

'Maníacos'


Jheyderson tinha 24 anos e estava desaparecido desde o dia 18 de maio. Ele era estudante do curso de serviço social no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), ativista em defesa de direitos de gays, travestis e transexuais, e realizava serviços sociais em Iguatu.
À polícia, os suspeitos afirmaram que mataram o rapaz num ritual macabro para "baixar o espírito de satanás e melhorar de vida", conforme relatou Jerffison Pereira. O delegado descarta a relação dos crimes com rituais.

"Esses caras eram maníacos que saíam matando as pessoas e enterrando por aí à fora, não tem nada a ver com magia negra", afirma.

A polícia procura outros dois suspeitos de participarem dos crimes, ambos já identificados. Os policiais investigam se outras pessoas que estão desaparecidas foram assassinadas nas mesmas circunstâncias.

Por Cinthia Freitas, G1 CE

TJCE condena primeira-dama e ex-prefeita de Uruburetama a 14 anos de prisão


O desembargador Antônio Pádua Silva, do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), condenou, nesta teça-feira (29), por unanimidade, a primeira-dama e ex-prefeita de Uruburetama, Graça Paiva, a 14 anos e quatro meses de prisão. Com a decisão, Graça Paiva poderá ser presa a qualquer a momento.

Graça Paiva já havia sido condenada em primeira instância pelos crimes de apropriação indébita previdenciária, dispensa de licitação fora do que é previsto por lei e apropriação de coisa alheia móvel, cometidos durante sua gestão na Prefeitura de Uruburetama.

Em tempo

Dr. Hilson, atual prefeito e médico do município, é esposo de Graça Paiva e acusado de assédio sexual, pedofilia. Mais de 50 mulheres já declararam terem sido vítimas do médico. Os crimes teriam ocorrido em consultórios particulares e públicos.

CEARÁ NEWS 7

terça-feira, 29 de maio de 2018

O posto de atendimento do Cartório Eleitoral de Orós pede o comparecimento das seguintes pessoas abaixo relacionadas com urgência



O posto de atendimento do Cartório Eleitoral de Orós pede o comparecimento das seguintes pessoas abaixo relacionadas com urgência para tratar de pendências na biometria.

1-  Joaquim Paulo de Oliveira
Nascimento:05/04/1933
Pai: 
Mãe: Maria Joaquina. 
Vila :Palestina

2- Antônio José do Nascimento Neto ( Sítio Caatinga)

3- Manoel Flávio Jorge Andrade ( Santarém)

SEU DANTAS NO DIÁRIO REGIONAL DA TV DIÁRIO

PROGRAMA HORA DA NOTÍCIA TERÇA 29/5 - AO VIVO


DESTAQUES DE HOJE:

Orós já sofre com desabastecimento, Volume de água nos reservatórios aumenta, mas situação hídrica requer atenção, População procura cédulas após explosão de carro-forte, Plantão policial pela região.

Seja o nosso repórter envie sua matéria (88) 9.9422.0106
SIGA, CURTA, COMPARTILHA! OBRIGADO

Direto de Guassussê - Lançamento da revista Plenário da Assembleia Legislativa do Ceará

Caminhoneiros fecham trecho da BR-020 e causam engarrafamento; protestos seguem pelo 9º dia no Ceará



Caminhoneiros mantêm manifestações em rodovias do Ceará nesta terça-feira (29), nono dia seguido de paralisação em diversos estados do país. Os motoristas continuam com caminhões estacionados no acostamento da rodovia BR-116, nos quilômetros 18 e 70, nas cidades de Eusébio e Chorozinho, respectivamente.

Nesta manhã, manifestantes também fecharam uma das faixas da BR-020, em Maracanaú, Região Metropolitana da capital. Um longo engarrafamento se formou no local.

Outro ponto com um das faixas fechadas nesta segunda é BR-116, km 70, Chorozinho. Caminhões ocupam cerca de 7 km do acostamento da via.

A Polícia Rodoviária Federal informou que enviou equipes para os locais. Segundo o órgão, o trânsito está liberado somente para carros de passeio, ônibus e serviços de urgência, como ambulâncias.

Nono dia de paralisação
Os caminhoneiros autônomos protestam no Ceará e em outros estados do país desde o dia 21 deste mês. Eles são contra o aumento no preço do combustível e também reinvindicam um reajuste nos valores dos fretes.

Conforme o mais recente boletim da Polícia Rodoviária Federal (PRF), divulgado às 14h desta segunda-feira (28), o estado tinha 12 trechos de rodovias interditadas. Outros 29 pontos foram liberados desde o início do movimento.

Por G1 CE

ORÓS SOFRE COM DESABASTECIMENTO DE ALGUNS PRODUTOS LIVE DIRETO DA CORRENTEZINHA POINT!

Três homens morrem em confronto com policiais na Praia de Canoa Quebrada no Ceará



Três homens morreram em um confronto com policiais, na tarde desta segunda-feira (28), na Favela do Feijão, na Praia de Canoa Quebrada, no município de Aracati, Litoral Leste do Ceará. As informações são da Delegacia Regional de Aracati (10ª Região).

De acordo com a delegacia, os três homens, ainda não foram identificados, mas a suspeita é que o trio participava do tráfico de drogas na região.

A polícia afirmou também que policiais tentaram revistar os suspeitos, mas um deles reagiu e aconteceu a troca de tiros. O trio foi socorrido pela polícia e encaminhados para o Hospital de Aracati, mas não resistiram.

Durante a operação na região, a polícia conseguiu apreender drogas, celulares, uma balança de precisão, uma pistola, dois revólveres e munições.


Por G1 CE

Aéreas cancelam quatro voos no Aeroporto de Fortaleza nesta segunda; Cariri segue sem combustível para aeronaves



As companhias aéreas Latam e Avianca cancelaram quatros voos com origem ou destino no Aeroporto de Fortaleza nesta segunda-feira (28), até esta tarde, por causa do desabastecimento de combustível em outras cidades devido à paralisação dos caminhoneiros em todo o país.

A paralisação dos caminhoneiros ocorre em todo o país há oito dias. A categoria protesta contra o aumento no preço do diesel. Após o desbloqueio do acesso ao centro de distribuição no cais do Porto do Mucuripe, em Fortaleza, que estava obstruído por caminhoneiros e motoristas de aplicativos desde sábado (26), caminhões-tanque foram enviados para abastecer a capital e também seguem para 90 cidades do interior.

Segundo a Fraport, empresa que administra o aeroporto de Fortaleza, oito carretas com combustível foram recebidas nesta segunda-feira. Porém, o aeroporto segue operando nos seus níveis de reserva.

Com o último abastecimento, a nova previsão é que as operações sigam até a quarta-feira (30), no fim da noite.

Voos cancelados nesta segunda
  • Latam - LA3640 Fortaleza - Guarulhos (SP)
  • Latam - LA3390 Guarulhos (SP) - Fortaleza
  • Avianca - 6391 Fortaleza - Guarulhos (SP)
  • Avianca - 6390 Guarulhos (SP) - Fortaleza

A Gol Linhas Aéreas e a Azul Linhas Aéreas não tiveram cancelamentos nesta segunda. De acordo com a Azul, o transtorno foi contornado com a estratégia de "cancelamento programado". A empresa readequou os horários e encaixou o maior número de passageiros em um voo apenas.

Juazeiro do Norte

Com abastecimento zerado, o Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, de Juazeiro do Norte, teve quatro cancelamentos de voos desde a quinta-feira (24), e permanece sem combustível. Outros dois cancelamentos estão previstos para a madrugada desta terça-feira (29). O aeroporto de Juazeiro é um dos oito administrados pela Infraero que estão sem abastecimento.

O aeroporto de Juazeiro recebe querosene de aviação vem de Guamaré, no Rio Grande do Norte. As carretas teriam de percorrer cerca de 500 km e passar pelas manifestações de caminhoneiros.

Além dos cancelamentos, o Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes também está sofrendo atrasos. Só é permitido pousar em Juazeiro a aeronave que tiver autonomia para seguir viagem.

Em Juazeiro, todos os cancelamentos foram da companhia Azul Linhas Aéreas. Quatro dos voos cancelados fariam trajeto entre Juazeiro do Norte e Recife. Os outros dois ligariam Juazeiro a Campinas, em São Paulo.

Sobre os voos previstos para sofrer cancelamento na madrugada desta terça, a companhia aérea justifica com a estratégia de cancelamento programado, em que é realocado o maior número de passageiros em uma só aeronave, de tamanho maior, para economizar combustível.


Por G1 CE

TRE vota pela manutenção do mandato de Ivo Gomes em Sobral



Por unanimidade a Corte do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará decidiu reformar integralmente a sentença de 1º grau que cassou os diplomas eleitorais do prefeito e da vice-prefeita de Sobral, Ivo Gomes e Christianne Coelho. A sessão aconteceu nesta segunda-feira (28), presidida pela desembargadora Maria Nailde Pinheiro Nogueira.

Eles eram investigados por compra de votos nas últimas eleições municipais, em 2016. O relator do recurso eleitoral, juiz Alcides Saldanha Lima, votou pelo provimento do recurso eleitoral reformando a sentença, afastando a cassação, a multa e a pena por inelegibilidade a Ivo Gomes e Christianne Coelho.

As provas dos autos foram consideradas insuficientes para a perda dos diplomas e demais sanções impostas pelo juiz da 24ª Zona Eleitoral, Fábio Falcão, e foi seguido pelos demais membros do Pleno.

Cassação
Em novembro de 2017, o juiz Fábio Medeiros Falcão Andrade, da 24ª zona eleitoral, determinou a cassação do diploma do atual prefeito de Sobral, Ivo Ferreira Gomes, e da vice-prefeita da cidade, Christianne Coelho.

Na decisão, o juiz determinou o afastamento do cargo e a inelegibilidade pelo prazo de oito anos do prefeito e da vice, além de declarar nulo os votos por eles recebidos durante a eleição de 2016. O magistrado estipulou ainda o pagamento de uma multa no valor de R$ 40 mil.

A decisão do magistrado foi tomada em resposta a ação movida pelo deputado federal Moses Rodrigues, segundo colocado na eleição para prefeito de Sobral realizada no ano passado. O juiz eleitoral relata na decisão, entre outros episódios, que testemunhas afirmaram ter recebido valores entre R$ 50 e R$ 100 do então candidato Ivo Gomes. "A prova dos autos demonstra satisfatoriamente a prática de captação ilícita de sufrágio pelo candidato Ivo Gomes, mediante oferecimento de dinheiro", afirmou o juiz em sua decisão.

Na época, em seu perfil em rede social, o prefeito Ivo Gomes afirmou que não compro votos e que recorreria da decisão. "Nunca, em momento algum e por respeito às pessoas, comprei voto de quem quer que seja, nesta ou em nenhuma outra eleição. O próprio Ministério Público eleitoral de Sobral afirmou no processo não haver qualquer prova contra mim. Essa decisão só valerá se confirmada pelo TRE, a quem estou recorrendo. Continuo tranquilo conduzindo meu trabalho para melhorar a vida do povo do meu município", disse isso.


Por G1 CE

Alguns tipos de carne podem faltar a no CE partir desta terça, diz sindicato



Alguns tipos de carne podem faltar no comércio cearense a partir desta terça-feira (29), de acordo com o sindicarnes, sindicato de empresas do setor de carne. Produtos do setor sofrem desabastecimento devido à greve de caminhoneiros, que ocorre pelo oitavo dia em todo o Brasil. No Ceará, a paralisação afeta serviços nos supermercados, farmácias, trânsito, Ceasa e aeroportos.

Os caminhoneiros de todo o país reivindicam redução de impostos sobre o preço do diesel, como PIS/Cofins e ICMS, e o fim da cobrança de pedágios dos caminhões que trafegam vazios nas rodovias federais concedidas à iniciativa privada.

Em nota, o Sindicarnes relata que, por causa das barreiras, os caminhões estão impedidos de entregar as carnes nos açougues e distribuidores. “Se faz necessário providências urgentes por parte do nosso governador do Estado do Ceará, para que estes produtos cheguem aos seus devidos destinos e em segurança. Ou se for o caso, intervenção do Exército”, diz o Sindicarnes.

O presidente Michel Temer anunciou no domingo (27) a redução de R$ 0,46 no litro do diesel por 60 dias, o estabelecimento de uma tabela mínima dos fretes e a isenção da cobrança de pedágio para eixo suspenso de caminhões vazios, em rodovias federais, estaduais e municipais.

Da redução de R$ 0,46 por litro de diesel, R$ 0,30 virão da manutenção do desconto de 10% feito pela Petrobras. Os outros R$ 0,16, do corte da Cide e redução do PIS-Cofins. Segundo ministro da Fazenda, Eduardo Guardia a primeira medida vai custar R$ 9,5 bilhões aos cofres públicos. Desse total, R$ 5,7 bilhões virão de uma reserva orçamentária e, os outros R$ 3,8 bilhões, do corte de despesas. O governo ainda vai detalhar onde será feito este corte.

O ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) disse não haver previsão de quando a paralisação dos caminhoneiros irá acabar, porque não há uma liderança única do movimento. "São vários líderes. Ouvimos vários desses líderes e, do que ouvimos, elaboramos essa pauta que nós entendemos que atende aos pleitos dos caminheiros e fomos ao máximo do que o governo poderia ceder", disse.


Por G1 CE

Ceará tem perda de R$ 7 bilhões com violência no trânsito em 2017



A violência no trânsito do Ceará provocou um impacto de R$ 7,5 bilhões ao estado no ano passado; o valor corresponde a 5,42% do Produto Interno Bruto (PIB). Essa foi a perda da capacidade produtiva causada por acidentes que mataram 2.325 pessoas e deixaram outras 4.499 com invalidez permanente, segundo levantamento do Centro de Pesquisa e Economia do Seguro (CPES), órgão da Escola Nacional de Seguros.

O estudo é feito com base nos indicadores do Seguro DPVAT (seguro obrigatório de automóveis) e aponta aumento do número de mortes e vítimas com alguma sequela permanente. Em 2016, esse número foi 5.846, contra 6.824 no ano passado.

A pesquisa também mostra que o Nordeste lidera em número de acidentes com invalidez permanente: 16.328, sendo 4.499 no Ceará.

Em todo o país, a violência do trânsito provocou impacto econômico de R$ 199 bilhões em 2017, ou seja, 3,04% do PIB. Os acidentes mataram 41,1 mil pessoas e deixaram outras 42 mil com invalidez permanente no ano passado.

Motocicletas
Segundo dados do CPES, as motocicletas representam 27% da frota nacional de veículos e são responsáveis pelo maior número de acidentes no país, e também de vítimas: 285.662.

Os homens respondem por 88% das indenizações por morte em acidentes com esses veículos. No caso dos acidentes de motocicletas que resultaram em sequelas permanentes, 79% das indenizações também foram para vítimas do sexo masculino.

Fortaleza
O Relatório Anual de Segurança Viária mais recente elaborado pela Prefeitura de Fortaleza mostra que, em 2016, mais da metade das vítimas fatais de acidente em Fortaleza foram motociclistas. Conforme o relatório, 148 das 281 pessoas que morreram em acidentes na capital cearense trafegavam em motocicletas, sendo piloto ou passageiro.

A não obediência a normas básicas de trânsito, a agressividade ao dirigir e a cultura da esperteza são fatores que mais contribuem para a violência no trânsito, segundo o diretor da Escola Nacional de Seguros, Mario Pinto.

Em todo o mundo, o trânsito mata cerca de 1,25 milhão de pessoas a cada ano e deixa entre 20 e 25 milhões de feridos. Considerada a nona causa de mortes.


Por G1 CE

Direto de Guassussê - Lançamento da revista Plenário da Assembleia Legislativa do Ceará nesta segunda 28/05, Assista e compartilhe!








REVISTA PLENÁRIO MATÉRIA SOBRE A CONCEIÇÃO DO BURACO







segunda-feira, 28 de maio de 2018

ATENÇÃO DOCUMENTOS PERDIDOS EM ORÓS



Foi perdido na manhã de hoje, 28/5, na cidade de Orós, provavelmente da livraria para Ematerce, uma pasta verde em nome de VICENTE RODRIGUES NETO, com os seguintes documentos, 2 mapas de um terreno, declaração de ITR, identidade e CPF.

Quem encontrou, favor entregar na oficina do Flávio na Av. Brasil ou entrar em contato com o Portal Orós Zap (88) 9.8116.7884 ou 9.9734.0330.

SERVIR AO PRÓXIMO É NOSSA MISSÃO.



UTILIDADE PÚBLICA PORTAL ORÓS www.portaloros.com.br

Veja o que dizem as entidades dos caminhoneiros após novo anúncio do governo



Três entidades de caminhoneiros ouvidas pelo G1 nesta segunda-feira (28) dizem que aceitam a proposta feita pelo governo para encerrar a greve que já dura 8 dias. Elas afirmam que estão comunicando os grevistas sobre o fim do movimento.

Outras entidades e lideranças, como a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) e o Sindicato Interestadual dos Caminhoneiros Autônomos, não tratam a paralisação como encerrada. Ainda há protestos pelo país.

Neste domingo (27), o presidente Michel Temer anunciou a redução de R$ 0,46 no litro do diesel por 60 dias, o estabelecimento de uma tabela mínima dos fretes e a isenção da cobrança de pedágio para eixo suspenso de caminhões vazios, em rodovias federais, estaduais e municipais.

O ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) disse não haver previsão de quando a paralisação dos caminhoneiros irá acabar, porque não há uma liderança única do movimento. "São vários líderes. Ouvimos vários desses líderes e, do que ouvimos, elaboramos essa pauta que nós entendemos que atende aos pleitos dos caminheiros e fomos ao máximo do que o governo poderia ceder", disse.

Veja o que dizem lideranças e entidades:

Abcam
A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) informa que “ainda não houve tempo hábil para que todos os caminhoneiros tomassem conhecimento da decisão tomada. A entidade vem trabalhando para que a informação do acordo chegue em toda a categoria. Vale lembrar que ainda que a entidade se manifeste pelo fim das paralisações, nem todos os manifestantes seguem o mesmo entendimento. Mas acreditamos que até o fim da tarde de hoje a quantidade de caminhões parados tenha sido reduzida de forma significativa”.

Unicam
Em conversa com o G1, o presidente da União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam), José Araújo Silva, o China, disse que muitos caminhoneiros não sabem o que está acontecendo (sobre comunicado de acordo).

“Continuam parados por falta de comunicação. Mas agora não tem como prosseguir a greve. Vão prorrogar o aumento para 60 dias, o que já é uma grande vantagem. Agora precisa bater com o governo outras metas", afirmou China, sem citar outras reinvidicações.

"O ponto principal era o aumento do óleo diesel. Agora o governo já fez o pronunciamento e cabe às entidades fazerem a comunicação. Não tem como continuar”, informou China, que por volta das 7h30 disse que iniciaria a comunicação com os sete grupos de WhatsApp que faz parte. Cada grupo conta com cerca de 200 caminhoneiros.

Para China, a movimentação deve começar a acontecer por volta das 12h desta segunda-feira (28).

Movimento de Transportadores de Grãos de Mato Grosso
Gilson Baitaca, representante do Movimento dos Transportadores de Grãos de Mato Grosso, que está em Brasília e participou das negociações, diz que a categoria foi muito bem atendida e agora os caminhoneiros começam a deixar os bloqueios nas rodovias de MT.

Porém, há motoristas que não estão ligados ao setor e querem intervenção. Segundo Baitaca, os ligados ao sindicato devem começar a liberar os 30 pontos de manifestação no estado.

Sindicato dos Transportadores de Cargas Autônomos de Goiás
Diz que o movimento vai além do sindicato e não pode responder por ele. O sindicato quer se encontrar com o governador de Goiás para pedir a redução do ICMS.

Fetrabens
Cláudio Ferreira, assessor da Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Cargas em Geral do Estado de São Paulo (Fetrabens) informou que a entidade vai se reunir com o governador de São Paulo às 17h junto com cerca de 20 representantes dos demais sindicatos do estado "para ver se antecipa o término do protesto ao menos em São Paulo". Ele ainda destacou que "quem está mantendo a greve não é a Federação, e sim os caminhoneiros".

"A CNTA e a Sindicam/SP já disponibilizaram por WhatsApp e Facebook e está comunicando os caminhoneiros as propostas que foram incluídas no acordo. 90% delas já haviam sido feitas na primeira reunião com a CNTA. E os sindicatos estão levando até os pontos de paralização essas propostas. A decisão é de quem está parado."

Sinditac Ijuí/Rio Grande do Sul
Carlos Alberto Litti Dahmer, presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga de Ijuí – Rio Grande do Sul (Sindicat Ijuí/RS) afirmou ao G1 que assinou o acordo para o fim da greve.

“O Sinditac tem uma posição tranquila bem colocada e assinada com acordo produzido ontem com pontos que Michel Temer anunciou. No meu entender e da categoria, 100% do que pedimos foi atendido. Nós não só concordamos [com o fim da greve] como assinamos isso. Se existem outras pautas ali dentro do movimento, não é dos caminhoneiros. Estamos defendendo a categoria e o que o setor pediu, está sendo atendido”, informou Carlos Alberto Litti Dahmer, presidente da entidade.

Ele afirmou ainda que está replicando a posição do Sinditac nos mais de 50 grupos que mantem no WhatsApp. “Consigo ver [o fim da greve]. Pelo nosso ponto dos autônomos, está resolvido”.

Confederação Nacional do Transporte (CNT)
A Confederação Nacional do Transporte (CNT) informou via assessoria de imprensa que "considera que os caminhoneiros foram muito bem atendidos".

"O bloqueio de caminhões de propriedade das transportadoras é ilegal e pede força policial para que os veículos das empresas voltem a circular normalmente", completou o comunicado.

Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA)
Não tratam a paralisação como encerrada. Segundo a assessoria, as medidas são levadas à base dos caminhoneiros.

Líder de manifestação em Canoas (RS)
Um caminhoneiro que representa os manifestantes da Refinaria Alberto Pasqualini, em Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, disse que continuam com o protesto. "Não reconhecemos nenhum acordo com o governo de ontem pra hoje. Nossa reivindicação não é só pelo diesel, mas pela gasolina, que o pai de família usa, pelo gás de cozinha que impacta muito o orçamento da dona de casa. É pelo Diesel. É por todos os brasileiros . Essa é aa nossa posição de todos os pontos de bloqueios. Todos os portões estão monitorados aqui na refinaria por nós caminhoneiros, motoristas de aplicativos, profissionais autônomos. Não vamos nos desmobilizar".

Federação das Empresas de Transportes do Estado do Paraná (Fetranspar)
Sergio Malucelli, presidente da Federação das Empresas de Transportes do Estado do Paraná (Fetranspar), disse ver o acordo como “uma solução palatável”.

“Todos os agentes ontem saíram da reunião contentes após a reunião com a governadora, e mesmo depois com a palavra do presidente da República. Todos os itens dos empresários de transportes estavam acolhidos. Os transportadores autônomos também. A redução do combustível aqui no nosso Estado vai representar R$ 0,50 na bomba de gasolina. Isso é importante. O autônomo está recebendo 30% de todos os fretes da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). São coisas que eram uma angústia de anos. O eixo suspenso era uma angústia de anos. O frete mínimo que eles estavam pautando há mais de sete meses também foi conseguido ontem. Então cabe ao transportador autônomo a acolher com muita sensatez e voltar ao trabalho normal”.

Sindicato Interestadual dos Caminhoneiros Autônomos
Quer levar suas reivindicações à Casa Civil nesta segunda-feira (28). Diz que os autônomos não participaram ativamente das negociações com o governo. Entre as reivindicações deles estão, além da redução do diesel a valores de janeiro, o aumento da pontuação de carteira, de 50 para 100 pontos, a redução do preço do botijão de gás para R$ 60, o cancelamento de multas da ANTT, a criação de uma tabela de frete. a criação de cooperativas de trabalho para dividir as cargas entre os autônomos, entre outras.

Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg)
Representantes do Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg) estão em reunião desde às 6h para decidir qual posição que será tomada.

Sindicato dos Transportadores Autônomos de Bens de Alagoas (Sindicam-AL)
O presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Bens de Alagoas (Sindicam-AL), Valdir Kummer, que representa os manifestantes no estado, diz que não tem previsão para o fim da manifestação, que depende do governo apresentar uma proposta melhor.

"Continuamos a greve, até porque o que o governo deu não é satisfatório".

Líder de paralisação no Maranhão
Um advogado que representa caminhoneiros autônomos do movimento no Maranhão afirma que a categoria não se sente representada pelos grupos que vem negociando com o governo. Informou que eles querem mudanças na política de preços e não algo temporário, como redução por alguns dias.

Líder de movimento no Pará
O presidente do sindicato dos caminhoneiros autônomos do Pará diz que não vai se pronunciar sobre o assunto.

Líder de movimento no Tocantins
Um advogado que representa caminhoneiros autônomos do movimento no Tocantins afirma que a categoria não se sente representada pelos grupos que vem negociando com o governo.

Liderança no Amapá
As lideranças locais de caminhoneiros informaram que não vão suspender a manifestação e bloqueio da rodovia AP-020, porque ainda têm demandas locais para serem atendidas, relacionadas à redução do ICMS. Uma reunião deve acontecer ainda nesta segunda-feira (28) com o governo, o grupo de manifestantes e entidades comerciais.

Caminhoneiros parados
"A greve não acabou, a greve está mais forte do que nunca", diz o caminhoneiro que se identificou como Fábio, ao G1. Ele se identifica como o líder da paralisação no km 227 da Rodovia Presidente Dutra na manhã desta segunda-feira (28). Segundo Fábio, a greve só vai parar quando houver "redução maior do preço do diesel. Queremos isenção do IPVA para caminhões, placa vermelha, dentre outras reivindicações".

"Nós não estamos de acordo com aquelas medidas [anunciadas por Temer no domingo]", afirma. Ele acrescenta que luta não só para a redução do preço do diesel na bomba, "mas gasolina e etanol também".

Questionado sobre o prejuízo de estar parado há mais de uma semana, Fábio contemporiza: "Graças ao Temer, é um prejuízo que não vai ser tão sentido porque já estava difícil de trabalhar".

Em Teresina, o caminhoneiro Edivan Ferreira contou que o protesto continua. Ele informou ser o porta-voz de Teresina do movimento "Caminhoneiros pelo Brasil" e disse que a proposta do governo federal, de redução do preço do diesel, não contempla toda a reivindicação da categoria, que também pede a redução do valor do etanol e da gasolina.

Ele afirma que o movimento é formado por caminhoneiros independentes, sem sindicato ou associação. Por enquanto, não há previsão para o fim do protesto e dos bloqueios parciais nas rodovias.


Por G1