}); PORTAL ORÓS: Apresentada denúncia contra coordenador do Demutran e secretário de Nova Olinda

quarta-feira, 5 de junho de 2019

Apresentada denúncia contra coordenador do Demutran e secretário de Nova Olinda

Apresentadas denúncias à Justiça em desfavor do secretário do Município de Nova Olinda que responde pelas pastas de Urbanismo e Obras, e do coordenador de Transportes do Departamento Municipal de Trânsito (Demutran), João Paulo Silva Sampaio, Cícero Kedyson Queiroz da Silva, respectivamente.

A ação é do Ministério Público do Ceará (MPCE), por meio da Promotoria de Justiça de Nova Olinda. Eles encontram-se presos preventivamente desde a deflagração da operação “Sinal Verde”, em maio de 2019, que investiga diversas irregularidades no Demutran.

A peça criminal detalha que os gestores públicos municipais cometeram crimes de peculato-furto, inserção de dados falsos em sistemas de informações, prevaricação, advocacia administrativa e extravio de documentos públicos. 

Em um dos casos citados na investigação, o secretário municipal interferiu diretamente para evitar que multas cometidas por um familiar fossem emitidas e inseridas no sistema, inclusive, coagindo agente de trânsito que se recusou a atender  ordem manifestamente ilegal de seus superiores.

Saiba mais neste link numa reportagem feita pelo site Miséria, no último dia 24 de maio.

Outro procedimento relata que um agente de trânsito, que era Coordenador de Transportes do Demutran, procurou o proprietário de uma motocicleta, apreendida por ele com documentação irregular em novembro de 2018, para “comprar” o veículo, alegando que “não compensava pagar as multas”. 

Após o pagamento de R$ 500 pela moto e subtração do veículo do pátio do Demutran, o agente público suprimiu o termo de remoção dos arquivos do Departamento Municipal de Trânsito, destruindo, portanto, documento público em benefício próprio. 

A denúncia relata ainda que, em março deste ano, com a investigação avançada, Kedyson Queiroz tentou colocar a moto de volta ao pátio do órgão público, sem êxito, incidindo em fraude processual.




Por João Boaventura Neto - Miséria.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário