}); PORTAL ORÓS: Mais de 100 meninas desaparecem em Fortaleza em menos de um ano

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Mais de 100 meninas desaparecem em Fortaleza em menos de um ano


Em menos de um ano, 103 desaparecimentos de meninas, entre 13 e 17 anos, foram registrados em Fortaleza. Vinte seis continuam desaparecidas, duas morreram e 75 foram encontradas vivas. Perfis, justificativas e histórias dos mais diversos tipos. Muitas saem de casa de forma voluntária, buscam liberdades e outras realidades. No meio desse processo geracional da adolescência, o risco iminente e real da morte oriunda da violência urbana.

O relatório do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência de 2018 já dava conta da vulnerabilidade a qual as adolescentes estão expostas. Em Fortaleza, de 2016 para 2018, o total de meninas assassinadas passou de seis para 53 casos. Casos como o das adolescentes Luzyara Rodrigues dos Santos, 16, e Karolina Moares de Melo, 18. Elas tiveram a cabeça raspada, apresentavam lesões por espancamento e pichações no corpo com o nome de uma facção criminosa.

Antes de serem mortas, elas desaparecem. Saem de casa com uma mochila, dizem que vão à casa de amigas e não voltam mais. Algumas mantêm comunicação com os pais, relatando histórias sem muitos detalhes e com muitos desencontros. Dias depois, os pais procuram ajuda. Mas pode ser tarde demais.

"Existem várias situações envolvendo meninas, em regiões onde há relatos de exploração sexual de adolescentes. E a gente começa a 'linkar' e fazer o trabalho de inteligência em cima disso", afirma a titular da 12ª Delegacia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Arlete Silveira. A unidade foi criada em julho de 2018 com o objetivo específico de investigar casos de pessoas desaparecidas.

No caso de meninas, o pano de fundo muitas vezes é: adolescentes aliciadas, que transitam entre territórios dominados por facções criminosas diferentes, que vão a festas em bairros distantes, que flertam com meninos envolvidos com o crime ou batizados por grupos criminosos. São os primeiros passos para um destino imprevisível. Por isso, a busca nas primeiras 24 horas desde o desaparecimento é tão importante.

A delegada ressalta as condições de vulnerabilidade que os casos exibem e que são fundamentais para que o risco ao homicídio seja identificado. "Quem é a menina que desapareceu? Qual o risco dela? Tem o uso de drogas? De conflito no território? Está fora da escola?", descreve a delegada. O trabalho de inteligência não pode ser detalhado, mas é por causa dessa atuação, que mobiliza núcleos de diferentes esferas da segurança pública, que muitas meninas conseguem voltar para casa.
O crime que atrai adolescentes
Um Estado que não garante proteção, uma família desprotegida que não dá apoio, a menina que flerta com a criminalidade e materializa ali seus desejos juvenis. Quantas adolescentes não se deixam sucumbir pela paixão? Quando isso acontece em territórios dominados por facções criminosas, ser vista já representa perigo.

"O envolvimento delas está cada vez mais direto com o tráfico porque elas moram onde o tráfico acontece. Muitas não têm periculosidade, não traficam. Elas vivem uma história de amor", conta a psicóloga do Núcleo de Atendimento Jurídico Especializado do Adolescente em Conflito com a Lei (Nuaja), da Defensoria Pública do Ceará, Isabelle Barbosa Nogueira. A análise se baseia no crescimento tanto de meninas cumprindo medidas socioeducativas como de companheiras dos adolescentes em conflito com a lei.

Nessa relação amorosa, regida pelo distanciamento da família e pelas regras da criminalidade, as adolescentes tornam-se alvo frágil. Entre as histórias que escuta e ajuda, Isabelle ressalta que o principal fator de risco é essa menina apenas ser vista. "Mesmo tendo um vínculo familiar forte, ela mora na comunidade, vê o que acontece e também é vista. Se um cara envolvido com o crime gosta dela, ele vai lá", afirma. Se a resposta é não, ela é ameaçada.

Se a resposta for sim, ali se inicia uma adesão não apenas ao relacionamento amoroso, mas também aos códigos de honra inerentes aos grupos. "Geralmente tem violência. Os meninos as ameaçam quando elas querem terminar. Se ela namora com um rapaz de facção, de maneira alguma ela pode trair. Principalmente se ele for reconhecido naquele mundo pela periculosidade", conta a psicóloga.

Para Hayeska Costa Barroso, pesquisadora do Observatório da Violência contra a Mulher da Universidade Estadual do Ceará (Observem), não é possível pensar violência urbana sem pensar gênero. "Muitas vezes elas procuram o papel de regulação da vida que a família não conseguiu, que a escola não cumpriu e o Estado não garantiu", ratifica. Meninas, historicamente silenciadas, que procuram na rua o espaço de visibilidade.

"Os jovens da periferia têm poucas possibilidades de escolha. E se o que aparece é a inclusão por meio de facções criminosas, que assim seja", afirma a pesquisadora. "O fato de muitas não cumprirem uma função na organização, de serem apenas companheiras, não quer dizer que estão isentas. As regras se estendem a elas e às suas famílias", complementa.

O POVO solicitou informações mais detalhadas sobre pessoas desaparecidas. Dias depois, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirmou que a demanda ainda não tinha sido contemplada pelo setor de estatística. O POVO solicitou ainda entrevista junto ao Conselho Tutelar de Fortaleza, mas após várias tentativas, os conselheiros contactados não atenderam ao pedido.

O POVO - SARA OLIVEIRA

Nenhum comentário:

Postar um comentário