sábado, 28 de março de 2020

Louvorzão da AD. Orós Nação Madureira

Anuncio da prorrogação do Decreto Estadual por mais uma semana.

AÇUDE ORÓS ESTÁ COM 7.16 METROS - SÁBADO 28/03/2020

Saboeiro:: Homicídio a bala no sítio Mucambinho.


O plantão policial desta sexta-feira (27/03/2020), por volta das 23h00min, um homicídio a bala polícia no sítio Mucambinho, zona rural de Saboeiro.

A esposa da vítima informou que dois indivíduos arrombaram a porta e perguntaram por ele, invadindo o interior da residência, encontraram ele no quarto e efetuaram vários disparos, saíram a pé.

Ela não soube informar o rumo que eles tomaram. A vítima era vulgo “Zé Preto”. Verificado no Sistema Integrado da Polícia, consta como testemunha de Homicídio Doloso, artigo 121 do Código Penal, no dia 20/11/2019. Não soubemos a motivação do crime e quem eram os acusados.

Portal Orós com informações do 10º BPM de Iguatu.

Homem morre em Acopiara após grave acidente de moto


O plantão de polícia registrou no final da tarde de hoje (27), por volta das 17h00min, próximo ao sítio Logradouro, entre Acopiara e Iguatu, ocorrido na CE 060 quilômetros 342, próximo ao Centro de Distribuição da Moveletro.

A vítima foi identificada como sendo Patrício Félix, que pilotava uma motocicleta HONDA CG 150 TITAN KS, cor vermelha, ano 2004 de placa HYS-0899.

Uma equipe da PRE esteve no local. Segundo os agentes provavelmente a vítima teria perdido o controle da motocicleta e decido no barranco, vindo a óbito no local. O rabecão do IML foi acionado e compareceu ao local para fazer a remoção do corpo.

Portal Orós com informações do 10º BPM de Iguatu e o Blog do Lindomar Rodrigues.

Açude Orós ultrapassa a marca de 7 M na manhã deste sábado 28/03/2020, 46 cm nas últimas 24 horas, com as bênçãos de DEUS.

sexta-feira, 27 de março de 2020

AÇUDE ORÓS TEM APORTE POSITIVO DE 6.7 METROS

PROGRAMA HORA DA NOTÍCIA COM JOSEMBERG VIEIRA DESTA SEXTA-FEIRA 27/03/20. #Daoplayeassista #Compartilhe #Noticia #Jornalismo




Fique bem informado! WhatsApp do povo: (88) 9.9422 – 0106 Participe!

DESTAQUES DE HOJE:

- Açude Orós aumentou 30 cm nas últimas horas e já subiu 6.70 metros.

- População de Iguatu reclama da péssima qualidade da água que chega as torneiras.

- COVID-19: NÚMEROS ATUALIZADOS (27/03/2020).

- Covid-19: pesquisadores vão testar vacina contra tuberculose.

- Menino morto na Aerolândia é a quinta criança assassinada no estado do Ceará em 2020.

Seja o nosso repórter envie sua matéria (88) 9.9422.0106 - SIGA, CURTA, COMPARTILHA! OBRIGADO.

Instagram Josemberg Vieira: https://instagram.com/josembergvieira

Canal Josemberg Vieira: www.youtube.com/Josembergoros

Canal do Portal Orós: https://www.youtube.com/…/UCiypqX4tErKL…



Reprise às 18:00 hrs na Guassussê FM

Página Nossa Palestina

COVID-19: NÚMEROS ATUALIZADOS (27/03/2020)




CEARÁ: 

  • NÚMERO DE CASOS CONFIRMADOS: 238

  • NÚMERO DE MORTES:  03



BRASIL: 

  • NÚMERO DE CASOS CONFIRMADOS: 2.989 

  • NÚMERO DE MORTES:  77








Menino morto na Aerolândia é a quinta criança assassinada no estado do Ceará em 2020



Subiu para cinco o número de crianças assassinadas no Ceará em apenas três meses de 2020. A vítima mais recente da violência foi o garoto Júlio César da Silva Moreira, 4 anos. Ele morreu na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica do Instituto Doutor José Frota (IJF-Centro 1) nesta quinta-feira (26), após ser atingido por tiros. O crime ocorreu no bairro Aerolândia, Capital.

De acordo com informações colhidas pela Polícia Militar no local do crime, alguns moradores estavam reunidos na entrada de um beco na Rua Tenente Jaime Andrade, na tarde de quarta-feira (25), quando apareceu um carro de onde desembarcaram três homens armados e encapuzados.  

Os desconhecidos  passaram a atirar contra o grupo, atingindo quatro pessoas, entre elas, o pequeno Júlio César. Já o pedreiro Romário dos Santos Mota, 31 anos, foi baleado quatro vezes e está internado em estado considerado grave.  Outros dois feridos já receberam alta médica.

O menino baleado foi levado às pressas para o hospital, mas não resistiu. A Polícia Civil, através do seu Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), já está investigando o crime e não descarta a hipótese de que o crime tenha ligação com a guerra travada entre traficantes de drogas ligados à facções criminosas que disputam o território do bairro.

Até ontem à noite, a Polícia não havia prendido nenhum suspeito do crime

Balanço da tragédia

O garoto Júlio César da Silva Moreira é a quinta criança assassinada no Ceará entre os dias 1º de janeiro e 26 de março. Veja a seguir, a lista das vítimas:

1 (13/01) – José Ramonis Trajano da Silva, 11 anos – Morto por bala perdida durante um tiroteio entre criminosos na Rua Plutão, no bairro Vila União, em Fortaleza, quando voltava de uma missa na companhia da mãe.

2 (22/02) – Jorgiane dos Santos Xavier, 1 ano e 11 meses – assassinada a tiros juntamente com o pai, Francisco Jorge Gomes Xavier, 39 anos, dentro de casa, na localidade de Vila Cumbe, zona rural de Beberibe. O duplo homicídio aconteceu madrugada de sábado de Carnaval. Um grupo armado e encapuzado invadiu a casa e matou pai e filha.

3 (10/03) – Enzo Gabriel Ferreira Ribeiro, 9 meses, morto a tiros, juntamente com a mãe, a adolescente Maria Gabrielly Ferreira Ribeiro, 17 anos, dentro de casa, na comunidade das Malvinas, no bairro Quintino Cunha, zona Oeste de Fortaleza. Crime praticado por uma facção.

4 (15/03) – Yuri Kelson Silva Ribeiro, 5 anos – morto a tiros juntamente com a irmã,  Yasmin Silva Ribeiro, 14 anos; por bandidos da facção Guardiões do Estado (GDE), dentro de casa, na localidade de Cercadão dos Dicetas, no Icaraí,  em Caucaia.  O bando está preso.

5 (25/03) – Júlio César da Silva Moreira, 4 anos – morto a tiros na Rua Tenente Jaime Andrade, no bairro Aerolândia. Bandidos desembarcaram de um carro e passaram a atirar em um grupo de moradores. A criança foi baleada e morreu no IJF-Centro.


Por: CN7

Covid-19: pesquisadores vão testar vacina contra tuberculose




Uma equipe de pesquisadores do Instituto Murdoch, na Austrália, anunciou que vai testar em profissionais de saúde afetados pelo covid-19 uma vacina utilizada para tratar a tuberculose. O objetivo é verificar a eficácia na redução dos sintomas da doença.

“Embora originalmente tenha sido desenvolvido para tratar a tuberculose e de ainda ser administrado a mais de 130 milhões de bebês anualmente, o BCG (Bacilo de Calmette-Guérin) também aumenta o consumo de substâncias imunológicas básicas do corpo”, explicou um dos pesquisadores do Instituto Murdoch, em Melbourne, citado pela agência France-Presse.

O ensaio clínico vai envolver cerca de 4 mil profissionais de saúde nos hospitais australianos para verificar a capacidade da vacina na redução dos sintomas do covid-19.

O coordenador da equipe de estudos, Nigel Curtis, disse que se o BCG atuar como previsto, haverá “uma redução na frequência e gravidade dos sintomas” de covid-19, nos profissionais de saúde que estão infectados.

Testes em larga escala também serão realizados em outros países, como os Países Baixos, a Alemanha ou o Reino Unido.


Por: CN7

Governo zera imposto de importação de medicamentos contra a covid-19



O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (26) que o governo zerou o imposto de importação sobre medicamentos como cloroquina e azitromicina. Em publicação no Twitter, Bolsonaro explicou que a medida visa facilitar o combate ao novo coronavírus e que os medicamentos são para uso exclusivo em hospitais e para pacientes em estado crítico.

“Essa redução também se estende a outros produtos e vai fazer toda a diferença em nossa luta!”, escreveu.

De acordo com o Ministério da Economia, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) zerou as tarifas de importação de mais 61 produtos farmacêuticos e médico-hospitalares utilizados no enfrentamento da emergência em saúde devido ao novo coronavírus.

A Resolução nº 22/2020, com a lista dos produtos, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (26). Entre eles estão álcool etílico, oxigênio e dióxido de carbono medicinais; gaze, água oxigenada, lençóis de papel, luvas, esterilizadores e agulhas; equipamentos de oxigenação e de intubação, aparelhos de respiração artificial, termômetros, instrumentos e aparelhos para diagnóstico.

Na semana passada, o governo já havia zerado a alíquota de importação de 50 produtos médicos e hospitalares e hoje (26) ampliou a medida. A isenção do imposto vale até 30 de setembro.

Hidroxicloroquina

Ontem (25), o Ministério da Saúde anunciou que passará a adotar a hidroxicloroquina, variação da cloroquina, em pacientes internados com a covid-19. Essas substâncias são utilizadas normalmente contra a malária, nos casos de lúpus e artrite reumatoide e foram cercadas de expectativa e rumores depois de notícias de que elas estavam sendo usados, ainda em caráter de pesquisa, no tratamento ao novo coronavírus.

O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos, Denizar Vianna, destacou que a substância pode ser usada apenas em unidades de saúde. “Não usem medicamento fora do ambiente hospitalar. Não é seguro. Durante o uso pode ter alteração do ritmo do coração e isso tem que ter acompanhamento hospitalar”, enfatizou, durante entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (25).

No Brasil, o produto é fabricado em laboratórios privados, das Forças Armadas e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) enquadrou a hidroxicloroquina e a cloroquina como medicamentos de controle especial para evitar que pessoas que não precisam efetivamente desse medicamento provoquem o desabastecimento do mercado.

Já a azitromicina é um antibiótico usado, entre outros, no tratamento de infecções respiratórias.

Insumos

O presidente Jair Bolsonaro também anunciou hoje (26) que foi suspenso, temporariamente, os direitos antidumping para importações de seringas descartáveis e tubos para coleta de sangue. “Assim, poderemos adquirir esses equipamentos essenciais por preços menores e deixá-los acessíveis para a população mais vulnerável”, escreveu em publicação no Twitter.

O dumping é uma prática de concorrência desleal que acontece quando uma empresa vende seus produtos em um outro país por um preço reduzido, a um nível que prejudique as empresas locais. Em vários países, medidas antidumping são tomadas para a proteção de produtores nacionais seja por meio da taxação ou quotas.

De acordo com a Resolução nº 23, também publicada no DOU, estão suspensos até 30 de setembro os direitos antidumping aplicados às importações de seringas descartáveis de uso geral, de plástico, com capacidade de 1 ml, 3 ml, 5 ml, 10 ml ou 20 ml, com ou sem agulhas, originárias da China, e às importações brasileiras de tubos de plástico para coleta de sangue a vácuo, originários da Alemanha, China, Estados Unidos e Reino Unido.


Por: CN7

Coronavírus já passou por mutações no Brasil




Em um trabalho feito em tempo recorde, pesquisadores sequenciaram o genoma do coronavírus em pacientes das regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil e descobriram que o vírus já adquiriu novas características no país. A reportagem é do Metrópoles.

Os novos vírus sequenciados se mostraram diferentes dos que circulam na Europa e na China. Segundo os cientistas, essa é uma comprovação de que o Brasil tem transmissão comunitária e, por isso, as medidas de distanciamento social devem ser reforçadas para diminuir a velocidade de propagação da Covid-19.

O genoma do coronavírus brasileiro segue sendo esmiuçado para acompanhar mutações que possam facilitar a transmissão do vírus ou causar quadros mais graves da doença.

Em entrevista ao jornal O Globo, Ana Tereza Vasconcelos, uma das autoras do trabalho e coordenadora do Laboratório de Bioinformática do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), explica que há marcas no genoma que indicam alterações nos genes do vírus que aconteceram só depois de chegar ao Brasil, comparados aos primeiros casos diagnosticados. "Ele realmente está entre nós", diz.

180 graus

Por Redação
Miséria.com.br

Coronavírus: Verba federal ainda não chegou aos municípios do Ceará




Há anos de pires na mão, prefeitos do interior do Ceará viram o cenário piorar ainda mais nos últimos dias. A crise na saúde, agravada pela chegada do coronavírus ao Brasil, também se reflete no mercado de trabalho e no desafio de sobrevivência de quem menos tem.

Gestores relataram que ainda nada receberam do Governo Federal para enfrentar uma crise que ainda não tem data para acabar. A necessidade parte do que é mais básico, como instrumentos de higiene pessoal e equipamentos hospitalares. Um alento foi o anúncio ontem do Governo do Estado do investimento de R$ 45 milhões que deve ser feito para ampliação da infraestrutura dos hospitais regionais.

A medida, embora importante, não resolve as necessidades diárias das administrações, principalmente nas de menor porte. Prefeito de Ipu, cidade de 42 mil habitantes, Sérgio Rufino conta que todas as medidas que tem tomado, como a compra de equipamentos de proteção individual, e de alimentação para a população mais vulnerável que deixou de trabalhar, sai dos cofres municipais.

Cobrança

A preocupação não é apenas momentânea. Com a paralisação do comércio e da indústria, cai o percentual de arrecadação e também os impostos transferidos em âmbito federal no ano que vem. "Nós necessitamos de uma política de Estado na parte social e do ponto de vista econômico".

O Governo Federal divulgou, nos últimos dias, ações emergenciais, como a transferência de recursos para Estados e Municípios, além de insumos e equipamentos. Investimentos para aumentar o quadro de beneficiários do Bolsa Família também foram anunciados pelo presidente Jair Bolsonaro. Até agora, no entanto, nada chegou por aqui.

Nilson Diniz, presidente da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), declara que a principal preocupação dos gestores é a recomposição do aporte do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), além da cobertura do déficit de médicos no interior e do aporte ao programa Bolsa Família.

"O fato é que essa crise tem várias dimensões. A econômica, que tem a questão da ação da prevenção, e a social, que é outro fator que vai pressionar muito os municípios por causa da compra de gêneros de primeira necessidade. Se a crise continuar por muito tempo, as pessoas vão precisar ter o que comer", afirma.

A secretária de Trabalho e Desenvolvimento Social do Município de Granja, que tem aproximadamente 54 mil habitantes, Conceição Domingues, relata que a Prefeitura tem trabalhado com recursos próprios em todas as instâncias. A compra de quatro mil cestas básicas para a população mais vulnerável é uma das ações implementadas. “Granja é um Município pobre que tem uma grande parcela dependente do Bolsa Família e da Prefeitura”, contextualiza a secretária. A compra de produtos de higiene, como álcool em gel, também tem saído dos cofres municipais.

Repasses

O clima de preocupação dos gestores públicos principalmente no interior tem sido assunto recorrente entre eles. O prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra, diz que há dificuldade de recursos para custear a alimentação e a aquisição de produtos. "(Preocupa) a possibilidade de caída dos repasses do Estado e do Município. Se não tem arrecadação, não terá repasse, a menos que o Governo Federal faça um aporte", cobra.

A expectativa é pela chegada dos primeiros repasses nos próximos dias. No Ceará, deve ser iniciada uma ampliação sistêmica do número de leitos no interior para combater o novo coronavírus. O secretário de Saúde do Estado, Dr. Cabeto, informou, ontem, que o Governo pretende investir R$ 45 milhões na ampliação da infraestrutura dos hospitais regionais. O montante seria um repasse direto do Tesouro Nacional para as prefeituras de Itapipoca, Iguatu, Icó, Tauá, Crateús, Itaitinga e Aracati.

"O Estado não vai receber nenhum centavo, vamos repassar integralmente. Mais recentemente, solicitamos ao Ministério da Saúde a habilidade de autorização de UTI e, nos próximos 15 dias, iremos repassar para Itapipoca, Iguatu, Icó, Tauá, Crateús, Itaitinga, Aracati, além da ampliação de 50 leitos nos hospitais regionais", afirmou.

Caucaia e Maracanaú também receberão ampliação nos leitos. Dr. Cabeto informou que o Governo destinou R$ 18 milhões da União para aquisição de insumos a profissionais de saúde e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

De cada R$ 100 anunciados pelo Governo para o enfrentamento da pandemia, porém, R$ 64 ainda não saíram do papel porque o Governo Federal não encaminhou as propostas ou o Congresso ainda não votou os projetos de lei que estão sendo usados para acelerar as ações, incluindo as para ampliar a rede de proteção à população de baixa renda.

Medidas

Levantamento do jornal “O Estado de S. Paulo” mostra que do pacote de R$ 308,9 bilhões, 63,9% (R$ 197,5 bilhões) não passaram do anúncio e não chegaram à ponta. As propostas emperradas abarcam R$ 105,3 bilhões em medidas que nem sequer foram editadas pelo Governo e R$ 92,2 bilhões em ações que não foram enviadas ao Congresso, mas estão sendo incorporadas em projetos que estavam em tramitação.

Até agora, as medidas de maior fôlego efetivamente implementadas ficaram concentradas nas empresas, como a flexibilização das regras trabalhistas, oferta de crédito barato, suspensão do pagamento de tributos, além de auxílio a estados e municípios.

Emendas de bancada

Deputados e senadores do Ceará decidiram remanejar quase todo o orçamento das emendas de bancada para combater o coronavírus no Estado. Dos R$ 215 milhões disponíveis, R$ 181 milhões serão utilizados por prefeitos e pelo Governo do Estado para o custeio da estrutura de saúde no combate ao vírus.

Saúde

O restante do valor, embora não tenha sido destinado exclusivamente para a Covid-19, também ficará com a saúde. Serão R$ 16,4 milhões para custear a saúde média e de alta complexidade e os outros R$ 17,2 milhões serão investidos na atenção básica.

Transferência

A expectativa é que, pelo menos, o valor correspondente ao combate à Covid-19 seja pago já na semana que vem, conforme promessa do Governo Federal. A transferência será feita depois da edição de uma Medida Provisória nos próximos dias.


Fonte: Diário do Nordeste

Interior do Ceará conta com 93 leitos de UTI para pacientes da Covid-19



Ainda com poucos casos confirmados da Covid-19, o interior do Estado dispõe de, pelo menos, 384 leitos clínicos, sendo 93 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), para receber os pacientes em estado grave. 58 UTIs estão nos hospitais regionais do Cariri, Norte e Sertão Central, que são referência para 3,7 milhões de habitantes em 119 municípios cearenses. Este número, no entanto, pode ser maior. Demandada, a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) não disponibilizou os dados gerais até o fechamento desta matéria.

Diante da curva ascendente de casos em todo o Estado, as unidades de saúde do interior estão se preparando para ampliar este quantitativo caso haja demanda. A readequação de prédios, o fim de cirurgias eletivas e a abertura de hospitais de campanha são algumas medidas a serem implantadas para ampliar o número de leitos. Questionada se o número de leitos no interior é adequado, a presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems), Sayonara Cidade, observou que "nenhum país está preparado para uma situação dessas".

No entanto, reconheceu o esforço empenhado pelas prefeituras e ressaltou que "tudo está sendo organizado para assistir as pessoas mais graves. Os casos leves são feitos com monitoramento domiciliar".

Ações

Os três hospitais regionais do interior (em Juazeiro do Norte, Sobral e Quixeramobim) deliberaram pela dedicação exclusiva de 150 leitos clínicos de suas unidades para os pacientes com o novo coronavírus. Os dois primeiros já recebem cinco casos confirmados. À medida em que eles forem lotando, a Sesa encaminhará para outros hospitais credenciados pela Central de Regulação Estadual que também estão sendo adaptados.

Maior hospital do interior do Nordeste, o Hospital Regional Norte (HRN), em Sobral, é referência do atendimento de casos graves da Covid-19 para 55 municípios da macrorregião Norte do Ceará, que tem população estimada de 1,6 milhão. O equipamento conta com 50 leitos dedicados à doença e, destes, 20 são de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O número, no entanto, tende a não suportar a demanda crescente.

A secretária da Saúde do Município, Regina Carvalho, admite que a rede hospitalar está lotada, mesmo antes da chegada do novo coronavírus, "porque atendemos a nossa região toda", ressalta.

Para evitar o colapso, uma operação foi iniciada nesta semana. A primeira medida da Pasta foi fazer uma intervenção no hospital filantrópico Dr. Estevam, pois, segundo ela, estava sendo "subutilizado". Agora, a unidade está sob o controle da Secretaria Municipal da Saúde, que fechou o equipamento para outras patologias e abriu 18 leitos para o novo coronavírus, podendo ser ampliados para até 50. Outra ação foi cancelar as cirurgias eletivas para ter os leitos cirúrgicos à disposição. Os partos foram transferidos para outros hospitais.

Além disso, o poder público municipal requisitou um prédio que estava fechado, há cinco anos, onde funcionava uma clínica particular. Com três pavimentos, o local está sendo adaptado para ser um novo hospital, batizado de Hospital Dr. Francisco Alves, que terá mais 50 leitos e, destes, 11 de UTI. Um gerador de energia e um compressor de ar já foram instalados. Os dois elevadores também foram reparados. A expectativa é que esteja funcionando em dez dias.

Para efetivar sua abertura, será feita seleção com vagas para 16 médicos, 30 enfermeiros e 50 técnicos de enfermagem, além do recrutamento de voluntários. A Secretaria da Saúde ainda aguarda a doação de dez respiradores pelo Estado. Caso o processo demore, a pasta pretende alugá-los. "Quantos mais leitos de UTI melhor. Ainda são muito escassos. Vamos precisar ampliar", acredita Regina. O Hospital do Coração também cederá mais dez leitos para tratar pacientes com a doença.

No Sul do Estado, onde dois casos já foram confirmados, em Juazeiro do Norte e Mauriti, o Hospital Regional do Cariri (HRC) é referência para uma população de 1,5 milhão em 44 municípios do Cariri e Centro-Sul. Lá, foram criados 60 leitos exclusivos a Covid-19, sendo 19 de UTI. Assim como os outros hospitais regionais, na medida que forem ocupados, serão encaminhados para outros equipamentos.

Planejamento

No início da semana, representantes de 15 entidades, incluindo hospitais, Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), Justiça Federal e secretários municipais, se reuniram para discutir uma ampliação dos leitos na região do Cariri. No encontro, ficou acordado que o Hospital Maternidade São Francisco e o Hospital São Raimundo, ambos em Crato, dedicarão oito leitos de UTI, cada um, aos pacientes com Covid-19.

Já em Barbalha, os hospitais do Coração e Santo Antônio cederão juntos sete leitos no perfil cardiológico e neurológico, podendo ofertar mais cinco se o Estado fornecer equipamentos. No mesmo Município, o Hospital Maternidade São Vicente de Paulo ofereceu dois leitos de pediatria na condição do fornecimento de dois respiradores pela Sesa. Em Brejo Santo, o Hospital Geral indicou dois leitos de isolamento UTI para gestantes em estado grave.

Em Juazeiro do Norte, a Secretaria da Saúde está readequando o prédio da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), do bairro Lagoa Seca, que nunca foi inaugurada, para atender até 30 pacientes com novo coronavírus. Destes, quatro leitos devem contar com respiradores. Tudo deve estar pronto em até sete dias. "Isso é para dar suporte. Para pacientes com insuficiência respiratória grave, a referência é o Hospital Regional", reforça o secretário Lucimilton Macêdo.

Também estão disponíveis sete leitos no Hospital São Lucas e outros sete na Unidade Sentinela, criada exclusivamente para a doença. Além disso, o prefeito Arnon Bezerra determinou que o prédio do Hotel Municipal, que estava fechado há mais de um ano, fosse limpado e readequado para caso seja necessário criar uma nova unidade para receber os pacientes infectados. O Hospital Regional do Sertão Central (HRSC), em Quixeramobim, referência para 631 mil habitantes de 20 municípios do Sertão Central, está com 49 leitos para receber pacientes graves com Covid-19, sendo 20 de UTI.

No município vizinho de Quixadá, maior da região, está sendo instalada uma nova unidade de saúde no bairro Putiú, que fornecerá nove leitos isolados para tratamento de casos confirmados.

Em Acarape, no Maciço do Baturité, o governo municipal está criando um hospital de campanha para isolar pacientes com coronavírus. O equipamento funcionará na Escola Padre Antônio Crisóstomo e terá capacidade de 40 leitos de internação. Mesmo tendo apenas 16 mil habitantes, o prefeito Franklin Veríssimo acredita que é importante que a cidade esteja preparada. "Pode ser que não precisa usar, mas se precisar, estaremos prontos", ressalta. Lá, há um caso suspeito.

Em Iguatu, na região Centro-Sul, o Hospital Regional de Saúde colocou 16 leitos específicos para tratar casos suspeitos ou confirmados de Covid-19. Na noite de ontem (26), o prefeito Ednaldo Lavor divulgou a construção de 10 leitos de UTIs. As obras de implantação no HRI têm início hoje (27) e devem ser finalizadas em até 15 dias. Além disso, o Hospital Agenor Araújo destinou 25 leitos clínicos caso extrapole os pacientes da primeira unidade. "Colocamos dois médicos e sete enfermeiros dedicados à ala do coronavírus. Essa é a nossa estratégia inicial, mas a situação é muito dinâmica, muda quase todos os dias", pontuou o secretário de Saúde Georgy Xavier.


Fonte: Diário do Nordeste

Quadro grave: Pai do prefeito de Fortaleza está na UTI após contrair o coronavírus



O professor Roberto Cláudio Frota Bezerra, de 73 anos, está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Carlos, em Fortaleza, respirando com ajuda de aparelhos, ou seja, com suporte ventilatório. O ex-reitor da Universidade Federal do Ceará (UFC) e pai do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, e do senador em exercício, Prisco Bezerra, contraiu o coronavírus e teve o quadro que mais preocupa os médicos nas infecções pelo vírus: a falta de ar.

O estado de saúde do professor se deteriorou rápido. Ele chegou ao hospital com sintomas de febre e dor no corpo, na última quarta-feira (25), mas dentro de algumas horas o quadro evoluiu para dificuldades respiratórias, exigindo transferência para UTI. Ele tem outros problemas de saúde, o que pode ter contribuído para o agravamento quadro.

Tanto o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, como o senador licenciado, Prisco Bezerra, também testaram positivo para o novo coronavírus. Ambos estão bem de saúde e cumprindo isolamento domiciliar.


Fonte: Diário do Nordeste

Ministério da Saúde anuncia 20 mortes por Covid-19 em um único dia no Brasil



A crise provocada pela pandemia do coronavírus Sars-Cov-2, nome técnico do vírus mortal que causa a doença Covid-19, atingiu, nesta quinta-feira, uma nova marca: 20 mortes registradas em um único dia pelo Ministério da Saúde, elevando o total para 77 óbitos, incluindo as três primeiras do Ceará. A expectativa é de que hoje o total de casos de infectados supere a marca dos 3.000. Até esta quinta, eram 2.915 casos de contágio confirmados.

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, afirmou que a Pasta não fornecerá projeção de qual a estimativa de casos para o próximo mês, mas destacou que não trabalha com a perspectivas de redução dos casos em abril. "A previsão é que nós vamos ter 30 dias muito difíceis. Provavelmente nós estejamos aí na fase crítica da pandemia. Nós não vamos começar a reduzir os casos em 30 dias, nós temos uma estimativa maior para ter a redução dos casos", disse.

Com a média diária de 20 mortes por dia, o Brasil se aproxima de uma nova barreira: a casa dos 100 óbitos. Pessoas com problemas no coração, do sexo masculino e com mais de 60 anos são maioria entre os casos graves e mortes causadas pelo novo coronavírus no Brasil. São pacientes homens 58% dos casos graves e 68% das mortes.

Isolamento

Além das doenças do coração associadas aos casos graves e mortes por Covid-19, diabéticos e pacientes com outros problemas respiratórios, como asma, também inspiram preocupação no País.

"Vocês podem observar que as curvas estão mais elevadas para os óbitos a partir de 60 anos, mas elas ficam muito mais intensas entre 70 anos ou mais. Por isso, a gente está recomendando que as pessoas acima de 60 anos fiquem em isolamento, cumprindo as orientações", disse Wanderson Oliveira, secretário de Vigilância em Saúde.

Já o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta quinta, que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, já concordou com a mudança no formato do isolamento horizontal para vertical como medida de combate ao novo coronavírus no País, mas ainda estuda como implementar a medida.

O modelo defendido pelo presidente considera apenas isolamento para pessoas do grupo de risco, idosos e aqueles com doenças crônicas. Bolsonaro disse que não há prazo para que a transição ocorra, e que poderia até começar hoje.


Fonte: Diário do Nordeste

Covid-19: uso maior da internet requer mais cuidado com segurança



A revisora de textos e servidora pública aposentada brasiliense Cely Curado teve uma mudança grande de rotina nas últimas semanas. Em isolamento social por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19), ela conta que o tempo na internet triplicou: passou a ver mais filmes e ouvir mais música e começou a fazer cursos online por meio de plataformas criadas para este fim.

Esta é, hoje, a realidade de muitas pessoas. O recurso da internet vem crescendo para finalidades como o teletrabalho, a comunicação com parentes, amigos e colegas, a busca por informações e momentos de lazer no consumo de músicas e vídeos. Com isso, é preciso aumentar também os cuidados para evitar acessos indevidos, entrada de vírus ou golpes aplicados pela Web.

A empresa especializada em segurança da informação Kaspersky identificou na América Latina mais de 300 domínios maliciosos usados para envio de mensagens falsas e 35 para difundir malwares entre fevereiro e 15 de março.

Um exemplo foi uma mensagem com uma conta de álcool gel de mais de R$ 3 mil. Quem clicava tinha um cavalo de troia instalado, que permitia o acesso à máquina do usuário pelos autores do golpe. Isso permitia, por exemplo, a realização de pagamentos e outras movimentações bancárias.

Outro caso foi uma campanha falsa distribuída no WhatsApp que simulava um anúncio da plataforma de vídeo Netflix que oferecia acesso gratuito durante a pandemia do novo coronavírus. Quem clicava era direcionado a um site. O objetivo dos autores era obter cliques para ganhar dinheiro com os anúncios na página de destino.

Cuidados

O Comitê Gestor da Internet lançou um guia com dicas para manter um uso seguro da internet. Mensagens diversas, incluindo boatos com curas milagrosas ou novidades, podem ser uma armadilha para implantar um vírus ou um código malicioso no computador ou smartphone do usuário (acesse aqui - https://internetsegura.br/coronavirus/).

Os códigos maliciosos podem ser vírus (que entram no computador como parte de um programa ou copiando-se para dentro do dispositivo), cavalo de troia (programa que executa ações sem o usuário saber), "ransomware" (mecanismo que veta usar determinados dados do equipamento, cujo acesso em geral é condicionado a um "resgate") e "backdoor" (programa que permite o acesso remoto ao equipamento do usuário) (veja a cartilha do CGI sobre o tema - https://cartilha.cert.br/fasciculos/codigos-maliciosos/fasciculo-codigos-maliciosos.pdf).

Outro perigo são mensagens pedindo informações sobre o usuário, como dados pessoais, financeiros e bancários. Também é o caso de aplicativos e sites que prometem fazer testes online visando atestar se a pessoa está ou não infectada. No caso dos apps, a recomendação do CGI é baixar sempre de lojas conhecidas, como as do sistema operacional do smartphone. "Ao instalar aplicativos, evite fornecer dados e permissões quando não forem realmente necessários", acrescenta o documento do CGI.

Uma sugestão é evitar sites que não tenham o endereço com "https". Este é o indicador de um protocolo mais seguro das páginas na web. Já no caso do acesso remoto ao sistema da empresa em caso de teletrabalho, o melhor é recorrer a redes privadas virtuais, ou VPNs, no jargão técnico.   

Uma forma muito usada para violar a segurança de aparelhos é obter ou ultrapassar os sistemas de login. Por isso, o CGI recomenda a utilização do procedimento chamado "verificação em duas etapas", que deixa mais complexo o acesso ao aparelho, evitando invasões. Uma cartilha específica foi publicada sobre o tema (acesse aqui – https://cartilha.cert.br/fasciculos/verificacao-duas-etapas/fasciculo-verificacao-duas-etapas.pdf).

Outra orientação é que o usuário busque sempre manter a cópia de reserva (back up) do aparelho em dia, pois uma invasão ou vírus pode danificar não somente o equipamento como os dados armazenados dentro dele. Além disso, a recomendação primária é manter os programas antivírus atualizados e realizar scanners nos computadores para verificar se foram infectados.   

Existem ainda outras formas de golpes virtuais. Um exemplo são conteúdos solicitando doações para vítimas da doença. O governo federal já esclareceu que não realiza tal procedimento. As pessoas devem se certificar se a fonte do pedido tem credibilidade e promove esse tipo de ação assistencial.

"Infelizmente, existem pessoas mal-intencionadas que se aproveitam justamente do momento de incerteza pelo qual estamos passando para aplicar golpes e divulgar informações falsas, alerta Miriam von Zuben, analista de segurança do Centro de Estudo, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.br).

Por isso, afirma Miriam, é importante que os usuários redobrem a atenção em relação às mensagens recebidas, como aquelas que oferecem aplicativos com informações sobre a doença, páginas que oferecem teste de infecção ou, ainda, aquelas que oferecem produtos que estão com procura alta no momento, como álcool gel.


Por: O Povo

Açude Orós aumentou 30 cm e está agora com 6 m e 70 cm de aporte positivo nesta sexta-feira 27/03.



- Açude Trusso
- Açude Lima Campos
- Açude Ubaldinho
- Castanhão
- Rio Jaguaribe em Iguatu

Números do novo coronavírus e previsão de chuvas.

#Informação #Jornalismo #AçudeOrós #Ceará #Alegria #MandaMais

Câmara aprova dispensa de atestado médico para trabalhador infectado pelo novo coronavírus



A Câmara aprovou nesta quinta-feira (27) projeto que dispensa atestado médico ao trabalhador que tenha sido infectado pelo novo coronavírus (Covid-Sars-2) ou que tenha tido contato com pessoa infectada. A proposta ainda precisa passar pelo Senado antes de ir à sanção presidencial e entrar em vigor.

Apesar de garantir o afastamento sem atestado médico por sete dias, o texto obriga o funcionário a informar ao empregador sobre a doença imediatamente, segundo a Agência Câmara. A medida vale pelo período de duração da emergência pública em saúde causada pela pandemia do novo coronavírus.

O texto também estabelece, segundo a agência, que nos casos de quarentena imposta, o trabalhador poderá apresentar, a partir do oitavo dia, alguma das seguintes opções: justificativa válida, atestado médico, documento de unidade de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) ou documento eletrônico regulamentado pelo Ministério da Saúde.
O projeto foi proposto pelo deputado Alexandre Padilha (PT) e mais nove deputados que compões comissão que acompanha ações contra a Covid-19, doença provocada pelo vírus. Segundo Padilha informou à Agência Câmara, o objetivo do texto é evitar uma corrida aos hospitais, conforme vem orientando o Ministério da Saúde.

"Hoje, quem tem sintomas e precisa ficar em casa tem que ir atrás da unidade de saúde ou de um médico para arrumar um atestado e comprovar os dias que está em casa. Com a proposta, ele será dispensado por sete dias e, a partir do oitavo, tem outras opções. Vamos reduzir a pressão sobre os sistemas de saúde", afirmou o parlamentar.


Por G1

Coronavírus: Câmara aprova projeto que prevê R$ 600 por mês para trabalhador informal




A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (26) um projeto que prevê o pagamento de R$ 600 a trabalhadores informais por três meses em razão da pandemia do coronavírus. A mulher que for mãe e chefe de família poderá receber R$ 1,2 mil. A proposta do governo era de R$ 200 para os trabalhadores informais, o Congresso passou para R$ 600.

Com a aprovação, o texto seguirá para votação no Senado. Ainda não há data definida para a análise pelos senadores. O pagamento do auxílio emergencial é limitado a duas pessoas da mesma família.

Segundo estimativa preliminar da Instituição Fiscal Independente (IFI), ligada ao Senado, o impacto fiscal com o auxílio para a União será de R$ 43 bilhões por três meses. O cálculo não considera ainda as mães chefes de família que poderão receber o auxílio em dobro.

Pela proposta, poderá receber o montante o autônomo que não receber benefícios previdenciários, seguro desemprego nem participar de programas de transferência de renda do governo federal, com exceção do Bolsa Família.

Desde a semana passada, a Câmara e o Senado tem aprovado projetos relacionados ao combate do coronavírus e dos efeitos provocados pela crise.

Em razão das medidas de prevenção contra o coronavírus, a sessão desta quinta foi parcialmente virtual, com a presença de apenas alguns deputados no plenário. Os demais acompanhavam por videoconferência.

Entenda o projeto
O projeto altera uma lei de 1993 que trata da organização da assistência social no Brasil. De acordo com o texto, o dinheiro será concedido a título de “auxílio emergencial” por três meses ao trabalhador que cumprir os seguintes requisitos:

  • for maior de 18 anos;
  • não tiver emprego formal;
  • não for titular de benefício previdenciário ou assistencial, beneficiário do seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal, ressalvado o bolsa-família;
  • cuja renda mensal per capita for de até meio salário mínimos ou a renda familiar mensal total for de até três salários mínimos;
  • que não tenha recebido em 2018 rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70.

Outros requisitos para receber o auxílio é:

  • exercer atividade na condição de Microempreendedor Individual (MEI) ou;
  • ser contribuinte individual do Regime Geral de Previdência Social ou;
  • ser trabalhador informal, de qualquer natureza, inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal até 20 de março de 2020.
Apesar de a previsão inicial de pagamento do auxílio ser por três meses, o relator da proposta, Marcelo Aro (PP-MG), disse que a validade do auxílio poderá ser prorrogada de acordo com a necessidade.

O projeto estabelece ainda que só duas pessoas da mesma família poderão acumular o auxílio emergencial.

Para quem recebe o Bolsa Família, o texto ainda permite que o beneficiário substitua temporariamente o programa pelo auxílio emergencial, se o último for mais vantajoso.

Inicialmente, o auxílio previsto no parecer do relator era de R$ 500, mas, após a articulação de um acordo com o governo federal, o valor passou a ser de R$ 600.

Pouco antes, em uma live realizada pelo Facebook, o presidente Bolsonaro havia dito que, após conversar com o ministro da Economia, Paulo Guedes, o governo defendia inicialmente que o auxílio fosse de R$ 200, "ele resolveu triplicar". "Deu o sinal verde", acrescentou Bolsonaro.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), elogiou a construção de um acordo entre Legislativo e Executivo, relação geralmente marcada por atritos. Maia ponderou que, mesmo com divergências, é preciso haver um ambiente de diálogo para buscar soluções para "salvar vidas e encontrar o melhor caminho para que a economia sofra menos".

BPC
O projeto de lei pretende ainda resolver um impasse em relação ao Benefício de Prestação Continuada (BPC), que é pago, no valor de um salário mínimo por mês, a idosos ou pessoas com deficiência de baixa renda.

O Congresso Nacional havia ampliado o limite de renda para ter direito ao pagamento do benefício, que valeria já para este ano. Com isso, mais pessoas passariam a ser beneficiadas, elevando as despesas públicas.

O presidente Jair Bolsonaro vetou o projeto alegando que não havia sido indicada fonte de receita, mas os parlamentares depois derrubaram esse veto.

O governo federal, então, recorreu ao Tribunal de Contas da União (TCU) para que a ampliação do limite valesse apenas a partir do ano que vem.

O ministro do TCU Bruno Dantas atendeu o pedido do governo, mas, no último dia 18, voltou atrás e suspendeu a sua decisão por 15 dias.

O projeto aprovado nesta quinta pela Câmara tenta resolver esse imbróglio. O texto define a partir de quando as novas regras passarão a valer. A proposta, porém, cria exceções diante da crise do novo coronavírus.

Pelo projeto, terão direito ao benefício pessoas com mais de 65 anos ou com deficiência que tenham renda familiar per capita:

  • igual ou inferior a um quarto do salário-mínimo, até 31 de dezembro de 2020;
  • igual ou inferior a meio salário-mínimo, a partir de 1° de janeiro de 2021.

No entanto, diante da pandemia do coronavírus, o projeto abre brecha para ampliar o critério da concessão de benefício ainda neste ano.

O benefício poderá ser concedido para quem recebe até meio salário mínimo per capita, em escala gradual a ser definida em regulamento, de acordo com uma série de fatores agravados pela pandemia, como comprometimento socioeconômico familiar.

Antecipação
O projeto também prevê a antecipação do pagamento do auxílio para quem ainda está na fila do BPC para pessoa com deficiência e do auxílio-doença. No caso do BPC, o projeto prevê pagamento de R$ 600. Para o auxílio-doença, o valor é de um salário mínimo.

Metas
A Câmara votou ainda um projeto de lei que suspende por 120 dias, a contar do dia 1º deste mês, a obrigatoriedade de manter as metas quantitativas e qualitativas exigidas de entidades de saúde que prestam serviço no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). O texto vai ao Senado.

Autor do projeto, o deputado Pedro Westphalen (PP-RS) argumenta que, devido à pandemia de coronavírus no país, os hospitais tiveram que redirecionar sua atuação.

Ele pondera que cirurgias marcadas, por exemplo, têm sido canceladas para priorizar o atendimento aos pacientes com Covid. E, por essa razão, os prestadores não têm mais condições de cumprir as metas nesse período.

Como o repasse de recursos é condicionado ao cumprimento das metas, o objetivo do projeto é garantir que as entidades continuem recebendo a verba.

Atestado
A Câmara também aprovou projeto de lei apresentado pelo deputado Alexandre Padilha (PT-SP) que dispensa o trabalhador que estiver doente de apresentar atestado pelo prazo de sete dias, em situação de emergência de saúde, pandemia ou epidemia quando houver imposição de quarentena.

A partir do oitavo dia, no entanto, o empregado precisará apresentar documento de uma unidade de saúde ou um atestado eletrônico, regulamentado pelo Ministério da Saúde, que comprove seu estado de saúde.



Por Luiz Felipe Barbiéri, Fernanda Calgaro e Elisa Clavery, G1 e TV Globo — Brasília