}); PORTAL ORÓS: Preço do combustível cai na Capital; postos afirmam que não se deve à redução federal

terça-feira, 4 de junho de 2019

Preço do combustível cai na Capital; postos afirmam que não se deve à redução federal

Desde sábado, 1º, o preço médio da gasolina às distribuidoras, sem tributos, recuou em Fortaleza, indo para R$ 1,79 por litro, de acordo com informação no site da Petrobras. Com queda de preços nas refinarias anunciada na última sexta-feira, 31, o preço médio do litro para o consumidor em Fortaleza se aproximou do valor médio nacional, apontado pela última pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) como R$ 4,55.
Na última semana os consumidores fortalezenses encontravam a gasolina por R$ 4,72 em média, segundo a ANP. O POVO Online visitou postos de combustíveis para conferir as variações de preços nesta segunda-feira, 3. Na região das avenidas Aguanambi, 13 de maio, Humberto Monte e Bezerra de Menezes, os valores estão entre R$ 4,59 e R$ 4,39.
O menor preço conferido nesta segunda-feira está em um posto de bandeira Shell no cruzamento da avenida Pontes Vieira com a avenida Visconde do Rio Branco. Por lá, segundo a gerente do estabelecimento a redução não se deve à medida estatal, mas a uma promoção do local. Em outros postos de combustíveis, o recuo do valor também não é causado pela redução às distribuidoras.
Gildário Oliveira, gerente de um posto BR na avenida Jovita Feitosa explica que“o combustível que chega hoje foi comprado na sexta-feira, portanto ainda no preço sem redução”. Trabalhando no posto há 10 anos, Oliveira conta que “muitos barateamentos nas refinarias não chegam ao consumidor devido aos impostos estaduais, como o ICMS”.
O comentário é endossado pelo administrador de um posto sem bandeira na avenida Bezerra de Menezes, que não quis se identificar. Lá o preço do litro caiu para R$4,57 no sábado, 1º, devido à competição entre concorrentes. Ambos projetam que preços podem cair a partir de amanhã conforme novas compras são feitas pelos donos dos postos.
A reportagem procurou o Sindipostos para comentar e analisar as variações recentes no combustível, mas não obteve respostas até a publicação desta matéria.

MARCELA TOSI ESPECIAL PARA O POVO

Nenhum comentário:

Postar um comentário