}); PORTAL ORÓS: Escrivã que atirou na Silas Munguba e salvou torcedores de agressão é elogiada por delegado geral

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Escrivã que atirou na Silas Munguba e salvou torcedores de agressão é elogiada por delegado geral


O delegado geral de Polícia Civil do Ceará, Marcus Rattacaso, elogiou, em portaria oficial, a atitude da escrivã Tárgilla Bié Brito, de 25 anos, que salvou dois torcedores de agressões no entorno da Arena Castelão, em Fortaleza, no último sábado (3). Pessoalmente, em encontro nesta terça-feira (6), Rattacaso ressaltou a bravura da profissional.

“Eu te chamei aqui para agradecer pelo seu ato de bravura, porque apesar de estar de folga, sozinha e principalmente por estar gestante, você fez exatamente o que jurou fazer, defender a sociedade acima de tudo. Então restam só elogios a sua pessoa”, elogiou o delegado geral.

Grávida de cinco meses, Tárgilla Brito andava à paisana pela Avenida Silas Munguba quando viu um grupo de torcedores com camisas do Fortaleza começar a agredir duas pessoas que estavam em uma moto, vestidas com camisa do Ceará. As vítimas, pai e filho que seguiam para o jogo do Clássico-Rei, foram derrubadas do veículo. O adolescente foi arrastado pela pista e sofreu chutes na cabeça.

Para evitar as agressões, a escrivã disparou tiros para o alto e foi em direção à confusão, dispersando o grupo de agressores. Um vídeo feito por moradores do entorno registrou o momento.

A mulher atua como escrivã há pouco mais de um ano na Delegacia Metropolitana de Horizonte, e foi guarda municipal de Fortaleza durante três anos, segundo a Polícia Civil do Ceará. Sobre o gesto de bravura, Tárgilla diz que pensou na mãe do adolescente agredido, caso a situação terminasse em tragédia.  

“Na hora que eu vi, eu pensei logo que matariam o rapaz e que poderia ser uma mãe chorando a perda de um filho. O adolescente que estava na garupa da moto e foi arrastado estava levando muitos chutes na cabeça. Eu sabia que se não fizesse nada, talvez aquele torcedor tivesse morrido ou até estivesse em coma, e teria uma mãe chorando junto com ele”, contou. 

“Quando virei e atirei a terceira vez, um dos agressores chegou a reclamar que eu não poderia atirar nele e fez a menção de voltar. Nessa hora eu aponto a arma e grito que sou ‘polícia’, foi quando todos fugiram”, relembrou Tárgilla. 

A portaria com elogios à servidora foi encaminhada para o Departamento de Gestão de Pessoas (DGP) da PCCE para registro nos assentamentos funcionais de Tárgilla e publicação no Diário Oficial do Estado. 

Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário